.mais sobre mim

.pesquisar

 

.posts recentes

. Um estranho na minha casa

. Dá que pensar!

. Linda analogia

. Dá que pensar!

.arquivos

.favorito

. 10 blogs para conhecer no...

. Sua presença basta

. Poema - Mais vale guardar...

.subscrever feeds

.Selos

CANCRO - Encontrem a cura,

antes que me cresçam

as maminhas!

Sexta-feira, 17 de Janeiro de 2014

Um estranho na minha casa

Alguns anos depois que nasci, meu pai conheceu um estranho, recém-chegado à nossa pequena cidade. Desde o princípio, meu pai ficou fascinado com este encantador personagem, e em seguida o convidou a viver com nossa família. O estranho aceitou e desde então tem estado connosco. 

Enquanto eu crescia, nunca perguntei sobre o seu lugar na minha família; na minha mente jovem já tinha um lugar muito especial. 

Meus pais eram instrutores complementares: minha mãe me ensinou o que era bom e o que era mau e meu pai me ensinou a obedecer. Mas o estranho era nosso narrador.  Mantinha-nos enfeitiçados por horas com aventuras, mistérios e comédias. Ele sempre tinha respostas para qualquer coisa que quiséssemos saber de política, história ou ciência. Conhecia tudo do passado, do presente e até podia predizer o futuro! Levou minha família ao primeiro jogo de futebol. Fazia-me rir, e fazia-me chorar. 

O estranho nunca parava de falar, mas o meu pai não se importava.

Às vezes, minha mãe se levantava cedo e calada, enquanto o resto de nós ficava escutando o que tinha que dizer, mas só ela ia à cozinha para ter paz e tranquilidade. (Agora me pergunto se ela teria rezado alguma vez, para que o estranho fosse embora).
Meu pai dirigia nosso lar com certas convicções morais, mas o estranho nunca se sentia obrigado a honrá-las. As blasfémias  os palavrões, por exemplo, não eram permitidos em nossa casa… Nem por parte nossa, nem de nossos amigos ou de qualquer um que nos visitasse.
Entretanto, nosso visitante de longo prazo, usava sem problemas sua linguagem inapropriada que às vezes queimava meus ouvidos e que fazia meu pai se retorcer e minha mãe se ruborizar.
Meu pai nunca nos deu permissão para tomar álcool. Mas o estranho nos animou a tentá-lo e a fazê-lo regularmente.
Fez com que o cigarro parecesse fresco e inofensivo, e que os charutos e os cachimbos fossem distinguidos.
Falava livremente (talvez demasiado) sobre sexo. Seus comentários eram às vezes evidentes, outras sugestivos, e geralmente vergonhosos.
Agora sei que meus conceitos sobre relações foram influenciados fortemente durante minha adolescência pelo estranho.
Repetidas vezes o criticaram, mas ele nunca fez caso dos valores de meus pais, mesmo assim, permaneceu em nosso lar.
 
Passaram-se mais de cinquenta anos desde que o estranho veio para nossa família. Desde então mudou muito; já não é tão fascinante como era ao princípio.
Não obstante, se hoje você pudesse entrar na guarida de meus pais, ainda o encontraria sentado em seu canto, esperando que alguém quisesse escutar suas conversas ou dedicar seu tempo livre a fazer-lhe companhia...
Seu nome?
Nós chamamos-lhe TELEVISOR...
PS:
Pede-se que este artigo seja lido em cada lar, pois agora ele tem uma esposa que se chama Computador e um filho que se chama Telemóvel(celular)
Uma boa forma de  nos manter ainda mais IGNORANTES e distraídos da REALIDADE.
tags = temas deste blog - Clique em cima:
LauraBM às 21:54

link do post | E custa, comentar aqui? | ver comentários (1)
Segunda-feira, 13 de Janeiro de 2014

Dá que pensar!

tags = temas deste blog - Clique em cima:
LauraBM às 23:10

link do post | E custa, comentar aqui?
Terça-feira, 17 de Janeiro de 2012

Linda analogia

No ventre de uma mulher grávida estavam dois bebês.

O primeiro pergunta ao outro:
- Você acredita na vida após o nascimento?
- Certamente que sim. Algo tem de haver após o nascimento! Talvez estejamos aqui, principalmente, porque nós precisamos nos preparar para o que seremos mais tarde.
- Bobagem, não há vida após o nascimento. E como verdadeiramente seria essa vida, se ela existisse?
- Eu não sei exatamente, mas por certo haverá mais luz lá do que aqui... Talvez caminhemos com nossos próprios pés e comamos com a boca.
- Isso é um absurdo! Caminhar é impossível. E comer com a boca? É totalmente ridículo! O cordão umbilical nos alimenta. Eu digo somente uma coisa: a vida, após o nascimento, está excluída – o cordão umbilical é muito curto!
- Na verdade, certamente, há algo depois do nascimento. Talvez seja apenas um pouco diferente do que estamos habituados a ter aqui...
- Mas ninguém nunca voltou de lá, para falar sobre isso. O parto apenas encerra a vida. E, afinal de contas, a vida é nada mais do que a angústia prolongada na escuridão.
- Bem, eu não sei exatamente como será depois do nascimento, mas com certeza veremos a mamãe e ela cuidará de nós.
- Mamãe? Você acredita na mamãe? E onde ela supostamente está?
- Onde? Em tudo à nossa volta! Nela e, através dela, nós vivemos. Sem ela tudo isso não existiria!
- Eu não acredito. Eu nunca vi nenhuma mamãe. Por isso, é claro, que não existe mamãe nenhuma!
- Bem, mas às vezes quando estamos em silêncio, podemos ouvi-la cantando; ou sentimos como ela afaga nosso mundo...

Saiba: eu penso que só depois de nascidos nossa vida será mais “real”, pois ela tomará nova dimensão. Porque aqui, aonde estamos agora, apenas estamos nos preparando para essa outra vida...
--------------------------------
(Autor desconhecido)

tags = temas deste blog - Clique em cima:
LauraBM às 23:32

link do post | E custa, comentar aqui?
Domingo, 30 de Janeiro de 2011

Dá que pensar!

Não  tenho filhos e tremo só de pensar.
Os exemplos que vejo em volta não aconselham temeridades.
Hordas de amigos constituem as respectivas proles e, apesar da benesse, não levam  vidas descansadas.
Pelo contrário: estão  invariavelmente mergulhados numa angústia  e numa ansiedade de contornos particularmente patológicos.
Percebo porquê. Há cem ou duzentos anos, a vida dependia  do berço, da posição social e da fortuna familiar.
Hoje, não. A criança nasce, não numa família mas numa pista de atletismo, com as barreiras da praxe: jardim-escola aos três, natação aos quatro, lições de piano aos cinco, escola aos seis.
E um exército de professores explicadores,  educadores e psicólogos, como se a criança fosse um potro de competição.

 Eis a ideologia criminosa que se instalou definitivamente nas  sociedades modernas: a vida não é para ser vivida mas construída com sucessos pessoais e profissionais, uns atrás dos outros, em progressão geométrica para o infinito.
É preciso o emprego de sonho, a casa de sonho, o maridinho de sonho, os amigos de sonho, as férias de sonho, os restaurantes de sonho.
Não  admira  que, até 2020, um terço da população mundial esteja a mamar forte no Prozac.
É a velha história da cenoura e do burro: quanto mais  temos, mais queremos.
Quanto mais queremos, mais desesperamos.
A meritocracia gera uma insatisfação insaciável que acabará  por arrasar o mais leve traço de  humanidade.
Não deixa de ser uma lástima.
Se as pessoas  voltassem a ler os clássicos, sobretudo Montaigne, saberiam que o fim  último da  vida não é a excelência, mas sim a felicidade!

--------------------------------

Texto de João Pereira Coutinho

27/07/2007 

tags = temas deste blog - Clique em cima:
LauraBM às 23:55

link do post | E custa, comentar aqui?

.tags = temas deste blog - Clique em cima

. 00-avisos

. 000-direitos das crianças

. 01-dá que pensar

. 02-haja o que houver

. 03-histórias de crianças

. 04-infância-considerações

. 05-mundo das crianças

. 06-crianças e avós

. 07-as crianças e os pais

. 08-sinais

. 09-divertidos de crianças

. 09-piadas bd

. 10-diversos

. 10-escola triste

. 11-poemas-laura

. 12-natal das crianças

. 13-videos especiais

. todas as tags

.links